Camadas de constructos

Se em nossa meditação superarmos nossa preocupação com conceitos e afinarmos o processo da percepção, nossa experiência da matéria (tanto quanto de todos os outros objetos da consciência) irá “desdobrar-se”, desconjuntar-se em “gostos mentais” e noções (dhammas), momentaneamente surgindo e dissolvendo-se. Há muitas intensidades e estágios neste “desdobrar-se” e “desagregar-se” da experiência grosseira na percepção microscópica dos constituintes básicos da realidade. Apesar do fluxo da experiência continuar, a mente pára de criar as usuais camadas de construtos mentais em torno das impressões, gostos e noções; ela pára de agarrar e se identificar com a experiência. Reconhecemos então tais noções como os “tijolos mentais” de nossa realidade aparente. Nesse estágio, a solidez também é vista como uma mera noção que faz com que as coisas sejam percebidas como substanciais e materiais” – Ven. Ashin Ottama.

Foto: interior indiano © Dhanapala, 2008 – clique na foto para aumentar

4 thoughts on “Camadas de constructos

  1. Obrigado Alfredo e Ana. Na verdade as mulheres são africanas. Ainda não tive o prazer de visitar a África 🙂 E que bom que gostou dos marcadores. Eu mesmo nem estava consciente de que existiam até que essa semana vi que havia essa possibilidade.

  2. Em primeiro lugar, ficou otimo o indice das folhas ( marcadores). Eu como tenho o hábito ( quem vem de uma leitora compulsiva) ver sempre os indices do que vou encontrar pela frente, não importa
    o que estou lendo…agora me sinto em casa…rs…além, claro da falta de tempo e as vezes uma certa preguiça de uma pesquisa mais
    consistente…creio que ficou no ponto. Obrigada.

    Qto ao post e foto, enqto lia, sem perder o foco da foto e o foco do que tudo isso me provocava…me senti o oposto dessas belas mulheres africanas em seu oficio de
    carregadoras de agua ( creio que é isso?) Elas com sua leveza, serenas, inteiras na sua ação…já eu e creio que muitos em algum grau
    …como carregadora de “constructos mentais” consegui expressar um sorriso triste.

    ana

Os comentários estão fechados.