Em Jodhpur

Em Jodhpur
(12.01.2011)

Relato da Pátchima:

Tour pela cidade de Jodhpur, conhecida como a cidade do sol. A cidade fica no centro geográfico do Estado e foi fundada em 1459 por Rao Jodha do clã Rajput. Saímos do hotel em direção ao Jaswant Thada, magnífico mausoléu em mármore branco em homenagem ao Marajá Jaswant Singhji (1873-1815), mandado construir pela sua esposa favorita.

 

Dizem que ele é o Taj Mahal do Reino Marwar. Ele está um pouquinho antes do Forte Mehrangarh. Os dois monumentos, mausoléu e Forte, estão belissimamente posicionados.



O mausoléu fica ao lado de um belo lago chamado lago da Morte, tendo ao fundo as muralhas do Forte Mehrangarh. Em frente ao mausoléu um agradável jardim com rosas vermelhas perfumadíssimas.

Tudo ali parece uma obra de arte. Depois de um tempo apreciando o mausoléu na bela manhã de sol, seguimos colina acima e estamos diante do imponente e absurdamente alto Forte Mehrangarh.



É espetacular! Tão alto, gigantesco. Se os outros fortes que vimos eram grandes, este ganhou longe!!!



Beleza sem igual. O Forte está no alto de uma montanha que antigamente era chamada Morada dos Pássaros. Foi construído pelo Imperador Rao Jodha em 1459 e abriga vários palácios e um belo jardim bastante acolhedor. Até pé de sapoti encontramos no jardim. Alegria dos companheiros do Nordeste.

Passado o choque inicial com tanta majestade, entramos. Nosso ingresso dava direito àqueles aparelhinhos de visita guiada. Foi demais! O interior do forte abriga um mundo de belezas arquitetônicas e decorativas. Os usos e costumes da época, coleção de armas, pinturas, coleções palanquins (onde o soberano sentava e era carregado por 10 a 12 homens) e também bancos usados sobre os elefantes.


Havia demonstração ao vivo e a cores de como se usa o narguilé e de como os homens colocavam o turbante. Maravilha de passeio. Isso sem falar da visão que se tem da cidade azul e seus arredores.



Pós almoço seguimos para a aventura no deserto. Passamos a tarde e noite numa aldeia típica do deserto. Dormimos em cabanas, houve passeio de camelo, visita a artesãos de tapetes e jantar com comida típica do Rajastão. Como virei o pé na saída do Mehrangarh fiquei prejudicada para aproveitar o passeio. Contam os amigos que foi um passeio e tanto, especialmente a experiência de andar no camelo e a visita à comunidade Bishnoi.

Lugar tranquilo, noite estrelada, música e dança ao redor de uma fogueira. Precisa mais? Pela manhã seguimos para Udaipur.

Cf. também o relato da Rosana sobre este dia