desafios rituais

7 Desafios para o Buddhismo – 1

Quando Ajahn Buddhadasa escreveu: “A educação é um guia para a vida individual; ela pode ser considerada um criador do mundo“, certamente podemos ver nisso um duplo aspecto. De um lado, é ressaltada a imensa importância da educação no sistema de treinamento buddhista; de outro, esse mesmo educador se vê diante da difícil tarefa de ser um crítico da própria tradição na qual está inserido, sob pena de, ao invés de ser um educador, transformar-se em perpetuador de enganos e malefícios para os seres. Nesse curto tópico “7 Desafios para o Buddhismo” passo a citar sete problemas que julgo que todo educador buddhista – e, claro, todo praticante – deve estar atento. Para isso será preciso ter um olhar crítico se quisermos identificar os problemas e encontrar suas soluções.

Em última análise, pensar sobre a Educação Buddhista é preocupar-se com o que nossa tradição fez no passado (positiva e negativamente) e ser sábio com relação ao que necessita ser mudado e o que deve ser preservado para o futuro. Nesses sete pontos convido o leitor a também participar das reflexões, comentando na área apropriada.

1. Sustentar rituais mas não ocupar-se de seus significados sociais e espirituais mais profundos

Parte da explicação para a expansão do Buddhismo fora das fronteiras indianas é sua maleabilidade em adaptar-se às condições da região onde penetra. Isso tem um aspecto positivo, mas um negativo também; e nesse caso, com o decorrer de poucas gerações o Buddhismo local passa a incorporar costumes e práticas, como se lá estivessem desde a origem. Referindo a esse problema, John Snelling disse que “uma grande religião pode se tornar mais ou menos cortada das fontes de sua inspiração original” e que o sistema eclesiástico e “a hierarquia também se afirmam, e uma estrutura mundana acaba se orquestrando, atraindo grande riqueza e poder, os quais inevitavelmente levam a rivalidades, cismas, carreirismo, dogmatismo e assim por diante“.

Uma faceta dessa rigidez é a preservação de rituais que nem mesmo os oficiantes sabem o porquê de sua execução, ou, na melhor das hipóteses, as justificativas para seu “funcionamento” recaem em explicações quase mágicas e dependentes da crença dos praticantes (algo que o Kalama Sutta preservado pela tradição Theravada já chamava atenção a respeito). Numa época em que se fala tanto de ritos para “queimar karma” ou ritos para mortos, a tal ponto que certos templos são frequentados quase exclusivamente para este propósito – o grande mestre Haya Akegarasu chamava os templos de ‘mantenedores de cemitério’ e citava Shinran que dizia que “A forma externa é Buddhismo, mas a mente interna entrega-se à heresia” – é tarefa do praticante consciente refletir o quanto sua prática e seu templo dedicam-se a uma experiência viva do Dharma e não a uma manutenção de costumes ultrapassados ou que perderam seu significado original.

O que acham disso? Esse é um perigo para o Buddhismo ou para os praticantes? O que fazer?

Compartilhe com seus amigosShare on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterEmail this to someone

5 Comments

  • 21/12/2007 - 2:23 pm | Permalink

    Respondendo especificamente a pergunta do Ricardo : O Budismo corre risco como religião? – Eu diria que para os estudiosos e para os que tem acesso a um mestre ou professor sério, que poderá eliminar duvidas ou colocar nos trilhos qualquer desvio, O BUDISMO NÃO CORRE RISCO, porem para a grande massa que esta alheia “ao caminho espiritual” OS RISCOS PODERÃO SER COMPROMETEDORES.

    Para os praticantes que já se decidiram por uma escola (tradição) e estão seguras da sua opção, serão eles os próprios responsáveis pelos seus riscos.

    O que fazer: Ser o mais equilibrado e praticar sempre e um pouco mais do vem praticando, Meditar, meditar, meditar…

  • Anonymous
    30/11/2007 - 3:17 pm | Permalink

    penso que há diversas implicações
    ai, desde questões pessoais/particulares e coletivas.

    mas antes de tentar argumentar sobre suas interrogações finais, prefiro esperar os outros 6 Desafios…para ver onde vai a carruagem…rs.

    ana

  • Sidney
    28/11/2007 - 10:25 pm | Permalink

    O ritual foi uma das grandes invenções da mente humana que adiquiriu uma força sagrada supostamente imbativel. Tornou-se uma herança milenar que recebemos e que esta sendo passada a diante. Por isso a identificação com o ritual ainda continua tão presente na mente humana. Acredito que a importancia dada ao ritual começou entre os nossos ancestrais primatas de uma forma muito rudimentar diante de suas necessidades de sobrevivência. Com a evolução do pensamento humano; os rituais foram sendo melhor elaborados pelos homens para fins de controle das massas. Gerando civilizações dependentes de uma infinidade de rituais para o bem comum e principalmente em respeito, devoção, submissão as vontades dos deuses!!!!

  • 28/11/2007 - 10:00 am | Permalink

    Num mundo ideal, isto não ocorreria dentro da tradição Buddhista, visto que estes desvios e tendências foram previstos pelo próprio Buddha… mas estando no samsara…
    Parece que esta simbiose se cria entre cleros que precisam sobreviver mal acostumados e praticantes que precisam de superficialidade para levar suas vidas…
    Eu penso que poucas pessoas tem real disposição para tentar entender e praticar completamente aquilo que o Buddha ensinou. Ele mesmo não disse que isso seria assim? Cabe a estes poucos manter a vigilância e alertar e bradar e, hoje, graças ao poder de comunicação que temos, manter a união em torno disso. Mas a luta é eterna, eu acho…

  • 28/11/2007 - 2:03 am | Permalink

    Puxa, excelente (e sutilmente polêmico! rsrs) post. Obrigado pela reflexão.

  • Comments are closed.

    Powered by: Wordpress
    %d blogueiros gostam disto: