A importância do estudo e do entendimento doutrinal

Estudar é importante

Uma das coisas que nos interessam enquanto praticantes é tentar entender o que é o Buddhismo ou o que é o caminho que o Buddha propõe. Durante os vários séculos e milênios em que o Buddhismo cresceu e se espalhou pelo mundo, uma série de alternativas e abordagens sobre o que é esse caminho foram surgindo e se desenvolvendo. Em nossa tradição, a tradição dos textos pāli, conhecida como tradição Theravāda, uma forma de explicar o caminho, e que é uma forma, me parece, bastante completa, é falando que este caminho é constituído de três dimensões ou perspectivas. Isso em pāli é chamado de pariyatti, patipati e pativeda. São três palavras muito importantes que sintetizam o que é o caminho dentro desta nossa perspectiva. Pode ser que outros caminhos ditos buddhistas não sigam completamente esses três. Pode ser também que a abordagem ou a prática de um determinado indivíduo, por vezes, também não siga esses três. Por isso é importante termos sempre em mente essas três dimensões que mostram como se pratica.

A primeira palavra, pariyatti, significa estudo. Digamos que pelo menos um terço da prática envolve o estudo. E o que é esse estudo? Ele é o estudo intelectual ou doutrinal. Antigamente ele também consistia da memorização, em que o estudante deveria memorizar os ensinamentos, repassá-los inúmeras vezes em sua mente e, então, refletir sobre aquilo memorizado. Nesta nossa tradição não acreditamos que a prática buddhista seja simplesmente se sentar, simplesmente meditar. Talvez alguns pensem assim, talvez alguns pensem que basta se ter uma técnica, seja bem simples ou mais elaborada, e aí então tudo é uma questão de praticar: sentar em meditação, recitar mantras, talvez praticar alguns rituais. Há várias coisas chamadas de prática buddhista, mas nesta nossa tradição não acreditamos que é simplesmente uma questão de praticar esse ou aquele exercício. Este estudo envolve compreensão, devemos compreender. Compreender o quê? Devemos compreender o melhor e mais profundamente possível aquilo que nós praticamos. Como praticar? Queremos compreender aquilo que o Buddha explicou. Como o Buddha passou 45 anos, após a iluminação, explicando inúmeras coisas aos seus alunos, então, isso deve ter alguma importância. Depois da iluminação ele não deu simplesmente alguma instrução de meditação e falou para todos ficarem meditando o resto da vida. Não! Ele peregrinou por toda a Índia ensinando muitas coisas. Compreender isso que ele ensinou tem importância. Esse é um estudo teórico, doutrinal.

dhanapala

Este é o blog pessoal de Ricardo Sasaki (Dhanapala), psicoterapeuta, palestrante e professor autorizado na tradição buddhista theravada e mahayana, tradutor, autor e editor de vários livros, com um grande interesse na promoção e desenvolvimento de meios hábeis que colaborem na diminuição real do sofrimento dos seres, principalmente aqueles inspirados nos ensinamentos do Buddha. Dirige o Centro de Estudos Buddhistas Nalanda e escreve no blog Folhas no Caminho. É também um dos professores do Numi - Núcleo de Mindfulness para o qual escreve regularmente. Para perguntas sobre o buddhismo, estudos em grupo e sugestões para esta coluna, pode ser contactado aqui.