Buddhadasa ONU

É um prazer ler a notícia abaixo de Weena Kowitwanij, que apareceu no AsiaNews.It, e motivo de alegria para todos os membros do Nalanda.

Nações Unidas homenageando Buddhadasa Bhikkhu.

Durante o século passado, o monge buddhsita foi um modelo das virtudes buddhistas, tais como a tolerância e a paz. Fundou um mosteiro na floresta, aberto às pessoas de todas as fés.

Bangkok, Thailândia — No último encontro geral das Nações Unidas sobre o estudo da Ciência e Cultura, realizado em 20 de outubro, a Thailândia requisitou que Buddhadasa Bhikkhu fosse homenageado em seu centésimo aniversário de nascimento como uma das pessoas significativas para o ano 2006-2007.

Participantes do encontro concordaram que Buddhadasa Bhikkhu da Floresta Mokkh (ou Suan Mokkh, ou jardim da árvore mokkh) é uma figura mundialmente significativa, o 18o. a ser homenageado pela UNESCO, por sua contribuição para a tolerância, paz e cultura.

Buddhadasa Bhikkhu é o nome que Nguem Panich tomou quando decidiu devotar toda sua vida ao Buddha. Ele nasceu em 27 de maio de 1906, em Surat Thani, durante o reinado do rei Chulalongkorn (rei Rama V, o quinto da dinastia Chak-kri). Seu pai era chinês. E o rei Rama VI deu à família o nome de ‘Panich’ no lugar do chinês ‘Kow’.

Após o colégio, Nguem escolheu a vida de monge na idade de 20 anos, até sua morte em 8 de julho de 1993, aos 87 anos.

Certa vez, falando sobre seu mosteiro na floresta, ele lembrou como “no começo, quando deixei meu vilarejo para morar na floresta, senti que tudo à minha volta refletia-se em mim e fazia surgir várias idéias em minha mente, em tal quantidade que eu era incapaz de entender seu significado e sentido. Eu acreditava que a natureza pura (deixada intocada em relação ao seu estado original) me ajudaria a resolver grandes problemas”.

Buddhadasa Bhikkhu fundou um mosteiro chamado “Suan Mokkhabalaram” (um local onde os sofrimentos são abandonados) para as pessoas de todas as fés que desejassem viver em harmonia com a natureza, respeitando seus princípios fundamentais e livrando-se das coisas materiais.

Seu nome—Buddhadasa Bhikkhu—corporifica a decisão de seguir o caminho que escolheu por três razões: Mostrar como os buddhistas e seguidores de outras fés podem encontrar o significado verdadeiro de suas fés. Encorajar o entendimento de todas as religiões. E, finalmente, ajudar a todos a deixar para trás todas as coisas materiais.

Incansável, ele orou, pregou e escreveu mais de 140 livros, muitos dos quais foram traduzidos para o inglês, francês, alemão, chinês, japonês e bahasa.

Seu livro sobre a Essência do Buddhismo, uma coletânea de palestras feitas a médicos e estudantes de medicina no Hospital Siriraj (o mais antigo hospital governamental na Thailândia), ganhou o Prêmio de Melhor Livro do Ano de 1961 da UNESCO.

A Fundação Sathienkoses da Thailândia fez a proposta de Buddhadasa Bhikkhu às Nações Unidas enfatizando suas contribuições devotadas aos ensinamentos do Buddha sobre como os seres humanos podem viver harmoniosamente com seu ambiente.

Cerca de 95 por cento da população de 62 milhões da Thailândia são buddhistas, 4% são muçulmanos e 1% de outras denominações, incluindo os menos de 300 mil católicos.

dhanapala

Este é o blog pessoal de Ricardo Sasaki (Dhanapala), psicoterapeuta, palestrante e professor autorizado na tradição buddhista theravada e mahayana, tradutor, autor e editor de vários livros, com um grande interesse na promoção e desenvolvimento de meios hábeis que colaborem na diminuição real do sofrimento dos seres, principalmente aqueles inspirados nos ensinamentos do Buddha. Dirige o Centro de Estudos Buddhistas Nalanda e escreve no blog Folhas no Caminho. É também um dos professores do Numi - Núcleo de Mindfulness para o qual escreve regularmente. Para perguntas sobre o buddhismo, estudos em grupo e sugestões para esta coluna, pode ser contactado aqui.