C = 2I + 2A = V

C = Compreensão Correta
2I = Impermanência e Interdependência
2A = Aceitação e Apreciação
V = Vida Iluminada

Nesta fórmula, a Unidade na vida consiste da Compreensão Correta que é a realização da realidade da Interdependência e da Impermanência. Na medida em que estas verdades são experienciadas, as qualidades espirituais da Aceitação e da Apreciação são aprofundadas, levando ao que se pode chamar de Viver Iluminado.

A fórmula do Caminho da Unidade tem a intenção de ser universal. Embora a fórmula venha de uma perspectiva geral buddhista, ela é expressa de uma maneira que se espera seja aceita por buddhistas de todas as escolas, por seguidores de outras religiões ou mesmo por aqueles sem uma orientação religiosa em particular. Pessoas de qualquer tradição ou abordagem podem usar sua própria terminologia e ilustrações para elaborar os aspectos diferentes da fórmula.

Deve ser notado que, é claro, a vida não pode ser reduzida a uma fórmula. A fórmula do Caminho da Unidade é simplesmente uma maneira habilidosa de expressar alguns ensinamentos básicos sobre a vida. É um belo sumário que torna mais fácil nos lembrarmos de tais ensinamentos. Lembrar de tais ensinamentos significa vivê-los em nossa vida diária. Esta é a coisa mais importante“.

Rev. Koyo

dhanapala

Este é o blog pessoal de Ricardo Sasaki (Dhanapala), psicoterapeuta, palestrante e professor autorizado na tradição buddhista theravada e mahayana, tradutor, autor e editor de vários livros, com um grande interesse na promoção e desenvolvimento de meios hábeis que colaborem na diminuição real do sofrimento dos seres, principalmente aqueles inspirados nos ensinamentos do Buddha. Dirige o Centro de Estudos Buddhistas Nalanda e escreve no blog Folhas no Caminho. É também um dos professores do Numi - Núcleo de Mindfulness para o qual escreve regularmente. Para perguntas sobre o buddhismo, estudos em grupo e sugestões para esta coluna, pode ser contactado aqui.

2 Comments

  1. Uma ideia interessante, mnemónicas para o ensinamento de Buda na forma de fórmulas matemáticas. Talvez se possam arranjar também para as quatro nobres verdades, os doze elos, etc…

    Mas acho que é uma boa ideia, eu por vezes perco-me um bocado no meio da complexidade da filosofia budista, e esqueço-me de aplicar o essencial.

  2. eitá nóis,
    a impermanência, esta sim me é obvio…
    grata
    ana

Comments are closed.