Cerimônia de recebimento do nome

Alguns dias após um filho ser dado a um homem, ocorre a ele dar à criança um nome,— um nome que seja auspicioso e agradável aos ouvidos. Para fazer isso ele deve convidar alguns bhikkhus e leigos à sua casa e oferecer comida e outros requisitos aos bhikkhus. Quando o oferecimento da comida tiver terminado, ele deve colocar a criança à frente dos bhikkhus, tomar os Cinco Preceitos — panca sila — com eles e pedir que recitem suttas buddhistas chamados de Parittas e dêem um nome à criança. Os bhikkhus irão então recitar tais suttas chamados de Parittas, tais como o Mangala Sutta, o Ratana Sutta, o Metta Sutta, todos os que podem ser encontrados no Khuddaka-patha do Khuddaka Nikaya, e outros suttas que eles considerem adequados recitar na ocasião.

O líder dos bhikkhus dará um nome à criança, ou se o pai desejar que o nome seja dado por uma outra pessoa, ele pode pedir a alguém que lhe agrade que dê o nome. Ele é livre para escolher um homem que dará o nome ou, se desejar, pode ele mesmo escolher um nome para o filho. Depois que a recitação dos suttas e o oferecimento tiverem terminados, os bhikkhus deixarão a casa, após o que ele pode dar uma festa às pessoas que ele convidou para participar da cerimônia.

O significado desta cerimônia é ajudar a criança a crescer com boa saúde e viver uma vida longa e próspera. O efeito de recitar os suttas é espantar os espíritos maus que poderiam prejudicar ou até matar a criança. Houve um exemplo, no tempo do Buddha, de uma certa criança que estava destinada a morrer depois de sete dias devido à permissão que um demônio havia recebido de seus superiores para comer a criança. Os pais souberam disto através do asceta da família e, por conselho seu, foram ao Buddha pedir-lhe que salvasse a criança. O Buddha, então, disse-lhes que construíssem uma plataforma na frente de sua casa e convidassem oito ou dezesseis bhikkhus para recitar os suttas por sete dias sem parar. Eles fizeram exatamente conforme aconselhado pelo Buddha para salvar a criança. No sétimo dia, o próprio Buddha veio à plataforma, aonde uma grande reunião de poderosos deuses que vieram ouvir o Dhamma havia se formado. O demônio não teve chance de arrebatar a criança, pois não ousou se aproximar da assembléia de deuses. A criança por esta razão foi salva e viveu uma vida muito longa — cento e vinte anos!

dhanapala

Este é o blog pessoal de Ricardo Sasaki (Dhanapala), psicoterapeuta, palestrante e professor autorizado na tradição buddhista theravada e mahayana, tradutor, autor e editor de vários livros, com um grande interesse na promoção e desenvolvimento de meios hábeis que colaborem na diminuição real do sofrimento dos seres, principalmente aqueles inspirados nos ensinamentos do Buddha. Dirige o Centro de Estudos Buddhistas Nalanda e escreve no blog Folhas no Caminho. É também um dos professores do Numi - Núcleo de Mindfulness para o qual escreve regularmente. Para perguntas sobre o buddhismo, estudos em grupo e sugestões para esta coluna, pode ser contactado aqui.