Dia intenso em Mumbai

Em Mumbai
(28.12.2010)

Relato da Pátchima:

Pulamos cedinho da cama. 07h30 começa o tour. Seguimos de ônibus até o monumento chamado “Portal da India” que fica bem ao sul de Mumbai, mais ou menos 01 hora de viagem.

o Portal da Índia, visto do barco rumo a Elephanta

O Portal é lindo. Antes da colonização britânica e sua construção, o local era usado como porto. A construção demorou uns 13 anos e comemora a visita do Rei George V e da Rainha Mary em 1911.É todo construído em basalto amarelo, tem 26 metros de altura e o estilo mistura construção muçulmana com decoração indiana. Conta-se que quando os ingleses deixaram a Índia em 1947, os indianos vieram em massa ao Portal para dar um tchau com força para eles.

Taj Mahal Hotel, em frente ao Portal da Índia e palco do atentado terrorista de 2008

Do Portal tomamos um barco e fomos até uma ilha próxima visitar as Cavernas de Elephanta. Passeio delicioso de 01 hora, apreciando a paisagem e aproveitando o sol e céu azul. As cavernas têm este nome porque quando os portugueses ali chegaram viram uma rocha em forma de elefante que agora está num jardim de Mumbai. Antes o lugar era chamado de Gharapuri. As cavernas principais são dedicadas ao deus Shiva e datam do século 6º.

diante de Shiva
uma das cavernas



Na ilha existem dois tipos de cavernas: buddhistas e hinduístas. A maior caverna era local de adoração que com a chegada dos portugueses foi bastante danificada. Isso por volta de 1534. Segundo a tradição local as cavernas não foram construídas por mãos humanas. Dentro das cavernas pode-se apreciar a beleza de várias estátuas de Shiva. Há representações da cerimônia de casamento de Shiva.

o casamento de Shiva e Parvati

Há a belíssima imagem da Trimurti onde estão representadas três faces. Uma de Brahma, o criador; Vishnu, o protetor e Shiva, o destruidor. Simplesmente maravilhoso! É a única imagem preservada, pois os portugueses achavam que as faces tinham algo a ver com a Trindade. Também há uma bela estátua de Shiva meditando na montanha ao lado de Ganesha.

Trimurti

São cavernas impressionantes pela grandiosidade e pelo trabalho de escultura na rocha. Estas cavernas também são famosas pelos macacos que vivem por ali e fazem a festa dos visitantes. Estão por todo canto.

Após o almoço continuamos o tour e como tempo era escasso, passamos pela Flora Fountain, um dos símbolos da cidade; Estação Vitória, terminal de transporte, que mais parece um palácio devido a arquitetura gótica vitoriana; Templo Mahalakshmi dedicado a deusa da fartura e prosperidade Lakshmi e Mesquita Haji Ali , toda branca, que se não fosse uma passarela, dá a impressão de que fica flutuando no mar. Ufa…dia cheio novamente. Amanhã partimos para Patna.

Victoria Terminal

Cf. Também relato da Rosana sobre esse dia

dhanapala

Este é o blog pessoal de Ricardo Sasaki (Dhanapala), psicoterapeuta, palestrante e professor autorizado na tradição buddhista theravada e mahayana, tradutor, autor e editor de vários livros, com um grande interesse na promoção e desenvolvimento de meios hábeis que colaborem na diminuição real do sofrimento dos seres, principalmente aqueles inspirados nos ensinamentos do Buddha. Dirige o Centro de Estudos Buddhistas Nalanda e escreve no blog Folhas no Caminho. É também um dos professores do Numi - Núcleo de Mindfulness para o qual escreve regularmente. Para perguntas sobre o buddhismo, estudos em grupo e sugestões para esta coluna, pode ser contactado aqui.

3 Comments

  1. Essas cavernas da Ilha Elefanta são realmente muito bonitas!Quando estive lá, o nosso barco ficou “entalado” no Mar Arábico por mais de uma hora. Aí, pude apreciar o ‘jeitinho’ indiano de resolver as coisas!
    Sucesso para voces!

  2. Belo lugar… aproveitem e continuem mandando notícias e fotos.

    Fernando

Comments are closed.