Floresta

Uma das melhores coisas em se fazer um retiro no Nalandarama é que mais que apenas um centro de retiros, ou seja, um lugar mais afastado onde passamos alguns dias em meditação e silêncio, é o fato dele ser também um centro de floresta. O contato com a natureza mais rústica sempre foi um elemento incentivado por todos os grandes mestres do passado. Alguns pensavam que era mesmo uma condição essencial para a compreensão profundo do Dhamma. Não aquela natureza disciplinada e tornada dócil de nossos jardins e sítios ornamentados e confortáveis. Mas a natureza pouco retocada, onde é ainda possível ver borboletas azuis (muitas delas nesses dias!) e saguis pulando de galho em galho, mal ver a lua porque semi-escondida por entre a copa das árvores, vivenciar o frio e a chuva, os insetos e os imprevistos naturais de uma vida no campo. Meditar e andar, ouvir e estudar o Dhamma, entoar suttas e silenciar as palavras excessivas. O que mais se poderia desejar para uma vida de Dhamma?

dhanapala

Este é o blog pessoal de Ricardo Sasaki (Dhanapala), psicoterapeuta, palestrante e professor autorizado na tradição buddhista theravada e mahayana, tradutor, autor e editor de vários livros, com um grande interesse na promoção e desenvolvimento de meios hábeis que colaborem na diminuição real do sofrimento dos seres, principalmente aqueles inspirados nos ensinamentos do Buddha. Dirige o Centro de Estudos Buddhistas Nalanda e escreve no blog Folhas no Caminho. É também um dos professores do Numi - Núcleo de Mindfulness para o qual escreve regularmente. Para perguntas sobre o buddhismo, estudos em grupo e sugestões para esta coluna, pode ser contactado aqui.