LOBHA

…ganância, cobiça, um sinônimo de tanha (ânsia, desejo) e raga (paixão)

Sendo a causa raiz do mal, ela assume muitas faces. Acumulação – segurar, sem deixar ir, obsessão com ganho material, avareza e ânsia – desejo de possuir o que os outros têm, agarrar-se aos objetos desejáveis dos sentidos, etc.

De uma forma sutil, poupança/economia – uma espécie de relutância em consumir coisas – parece ter o elemento de lobha na sua raiz. Enquanto a mais forte transforma-se em agarrar o objeto mental como desejo do sentido. Ela tem a função de “grudar” e a manifestação de lobha é a não desistência. A causa imediata é ver o prazer nas coisas que levam à escravidão.

Lobha pode se transformar facilmente em dosa quando não se obtém o objeto desejado e, assim, criar todo tipo de akusala kamma possível (ações não saudáveis).

É preciso aprender a ser contente (santosa) e deixar passar o prazer sensual (kama). É preciso estar atento ao apego a regras e rituais que impedem o progresso espiritual.

~uma tradução de Malu V.

dhanapala

Este é o blog pessoal de Ricardo Sasaki (Dhanapala), psicoterapeuta, palestrante e professor autorizado na tradição buddhista theravada e mahayana, tradutor, autor e editor de vários livros, com um grande interesse na promoção e desenvolvimento de meios hábeis que colaborem na diminuição real do sofrimento dos seres, principalmente aqueles inspirados nos ensinamentos do Buddha. Dirige o Centro de Estudos Buddhistas Nalanda e escreve no blog Folhas no Caminho. É também um dos professores do Numi - Núcleo de Mindfulness para o qual escreve regularmente. Para perguntas sobre o buddhismo, estudos em grupo e sugestões para esta coluna, pode ser contactado aqui.