Mahayana vs. Theravada II

Prosseguindo com o tema de Mahayana vs. Theravada I, passo a fazer aqui uma breve análise de algumas idéias que já se tornaram “memes” de vasto poder replicante no tema já controverso entre as supostas diferenças entre dois “tipos” de Buddhismo, o Theravada e o Mahayana. O intuito é o de ajudar aos leitores e praticantes buddhistas a exercerem o pensamento crítico e consciencioso quanto ao material escrito e oral ao qual continuamente são expostos.

Para isso, farei uso de dois artigos. O primeiro deles foi traduzido por nosso colega Luis Dantas de Brasília, que nos deu assim a oportunidade de comentar um texto em língua portuguesa sobre o tema. O documento original está em:


Documento original

E sua tradução em:

Tradução

O segundo apareceu no espaço da Orkut, na comunidade de Buddhismo. Esse é um espaço na web onde principalmente pessoas iniciantes, com algumas exceções, aparecem para expor dúvidas e conversar casualmente. Amigos me encaminharam, a fim de que eu a comentasse, uma mensagem particularmente propensa a causar confusão devido ao número de enganos presentes, algo perigoso principalmente por parecerem vindos de uma certa erudição. Apesar do original do segundo texto não estar disponível, sugiro enfaticamente que o original ou tradução do primeiro seja lido *antes* de o leitor continuar com a leitura da presente análise. Aproveitem então o fim de semana para lerem o texto, formarem sua opinião a respeito e então voltamos a conversar.

dhanapala

Este é o blog pessoal de Ricardo Sasaki (Dhanapala), psicoterapeuta, palestrante e professor autorizado na tradição buddhista theravada e mahayana, tradutor, autor e editor de vários livros, com um grande interesse na promoção e desenvolvimento de meios hábeis que colaborem na diminuição real do sofrimento dos seres, principalmente aqueles inspirados nos ensinamentos do Buddha. Dirige o Centro de Estudos Buddhistas Nalanda e escreve no blog Folhas no Caminho. É também um dos professores do Numi - Núcleo de Mindfulness para o qual escreve regularmente. Para perguntas sobre o buddhismo, estudos em grupo e sugestões para esta coluna, pode ser contactado aqui.