Mahayana vs. Theravada XI

[Continua daqui]

Crente de que seus argumentos foram muito bons até agora, o autor diz: “Existem outras diferenças menores entre o Mahayana e o Theravada, mas não chegam a separá-los de forma tão nítida quanto as acima citadas“.

Uma vez que nenhuma diferença foi mostrada até agora, imagina-se de qual natureza seriam as “diferenças menores”. Quanto a isso, ele esclarece que: “Uma dessas diferenças pequenas, mas detectáveis é o papel da sangha, ou comunidade espiritual, na prática da fé. Os theravadins, para quem o conceito de “ser uma lâmpada para si próprio” tem significado maior, tendem a pensar na sangha como um instrumento prático, mas não necessariamente útil, na busca da plenitude religiosa“.

!!! “A Sangha para o Theravada é um instrumento prático, mas não necessariamente útil“! Como algo pode ser prático sem ser útil provavelmente faz parte da esfera que apenas mestres do pensamento lógico podem compreender. Ainda assim, o autor parece supor que o “conceito de ser uma lâmpada para si próprio” é uma singularidade do Theravada e que portanto este teria uma tendência individualista enquanto o Mahayana seria mais congregacionista. Vejamos como ele abordará esse tema: [amanhã!]

dhanapala

Este é o blog pessoal de Ricardo Sasaki (Dhanapala), psicoterapeuta, palestrante e professor autorizado na tradição buddhista theravada e mahayana, tradutor, autor e editor de vários livros, com um grande interesse na promoção e desenvolvimento de meios hábeis que colaborem na diminuição real do sofrimento dos seres, principalmente aqueles inspirados nos ensinamentos do Buddha. Dirige o Centro de Estudos Buddhistas Nalanda e escreve no blog Folhas no Caminho. É também um dos professores do Numi - Núcleo de Mindfulness para o qual escreve regularmente. Para perguntas sobre o buddhismo, estudos em grupo e sugestões para esta coluna, pode ser contactado aqui.