Uncategorized

Onde fica o gol?

Neste último dia de Copa, ótimo texto de Martha Medeiros para refletirmos sobre a atitude de fazer versus empatar:

Em função da mobilização com a Copa do Mundo, andei me lembrando de uma conversa que tive com um amigo, anos atrás. Ele liderava uma equipe numa agência de publicidade e trabalhava em ritmo alucinado. No decorrer do papo, ele desabafou dizendo que era difícil conviver com colegas que não sabiam para que lado ir, o que fazer, como agir, e que por causa dessas incertezas perdiam tempo e faziam os outros perderem também. E exemplificou: “Sabe por que eu sempre gostei do Pelé? Porque o Pelé pegava a bola em qualquer lugar do gramado e ia com ela reto para o gol. Ele sabia exatamente para onde tinha que chutar”.

– Isso que você nem é muito fã do esporte – comentei.

– Pois é, não jogo futebol, mas tenho alma de artilheiro: entro em campo e já saio perguntando onde é que é o gol. É pra lá? Então é pra lá que eu vou, sem desperdiçar meu tempo, sem ficar enfeitando.

Taí o que a gente precisa se perguntar todo dia quando acorda: onde é que é o gol?

Muitas pessoas vivem suas vidas como se dopadas, chutando para todos os lados, sem nenhuma estratégia, contando apenas com a sorte. Elas acreditam que, uma hora dessas, de repente, quem sabe, a bola entrará. E, até que isso aconteça, esbanjam energia à toa.

“Goal”, em inglês, significa objetivo. Você deve ter um. Conquistar um cliente, ser o padeiro mais conceituado do bairro, melhorar a aparência, sair de uma depressão, ganhar mais dinheiro, se aproximar dos seus pais. Pode até ser algo mais simples: comprar as entradas para um show, visitar um amigo doente, trocar o óleo do carro, levar flores para sua mulher. Ou você faz sua parte para colocar a bola dentro da rede, ou seguirá chutando para as laterais, catimbando, sem atingir nenhum resultado.

Quase invejo quem tem tempo a perder: sinal de que é alguém irritantemente jovem, que ainda não se deu conta da ligeireza da vida. Já os veteranos não podem se dar ao luxo de acordar tarde, e, no caso, “acordar tarde” não significa dormir até o meio-dia: significa dormir no ponto, comer mosca. Não dá. Depois de uma certa idade, é preciso ser mais atento e proativo.

Parece um jogo estafante, nervoso, mas não precisa ser. O gol que você quer marcar talvez seja justamente aprender a ter um dia a dia mais calmo, mais focado em seus reais prazeres e afetos, sem estresse. É uma meta tão valiosa quanto qualquer outra. Só que não pode ser um “quem sabe”, tem que ser um gol feito.

Essa é a diferença entre aqueles que realizam as coisas e os que ficam só empatando.

4 Comments

  • Marcelo - Caxias do Sul/RS
    16/07/2010 - 12:56 am | Permalink

    Oi Fátima!!

    O texto é bom sim, só achei a metáfora do futebol um pouquinho “rápida” demais… 🙂

    Costumava usar aquela de termos “um mapa para orientar o caminho”, que acaba não te colocando numa situação de tanta urgência.

    Acho que foi isso que pegou mais. 😉

    Abraços!

  • Anonymous
    15/07/2010 - 11:55 am | Permalink

    Marcelo, e quando a gente faz gol contra então?????? achei o texto muuuito legal pra gente refletir sobre a quantidade de coisas que podem acontecer numa partida de futebol, na vida… abs. Fátima

  • Marcelo - Caxias do Sul/RS
    14/07/2010 - 11:20 pm | Permalink

    Legal o texto, professor!

    Só complica um pouco quando vc recebe a bola e vem toda a defesa adversária no seu encalço… e agora? passo ou driblo? 🙂

    Abraços!

  • Daniel
    11/07/2010 - 6:02 pm | Permalink

    É interessante como podemos extrair conhecimento mesmo das coisas mais banais. Tudo se tivermos um olhar meditativo.

  • Comments are closed.

    Powered by: Wordpress
    %d blogueiros gostam disto: