ação social

Os palhaços que nos regem

“Curt Trennepohl” se comporta como um palhaço e toda a casta política por trás…

É inevitável não pensar que esse senhor, e os políticos que o sustentam, estão nos chamando de palhaços. Mas existe um outro lado também. Gente corrupta e marionetes têm nas camadas políticas de todos os países. Pessoas sem escrúpulos que pelo dinheiro e poder abusam e lambuzam-se na lama enganando os outros. No Brasil o que impressiona, entretanto, é que eles não têm nenhuma vergonha e dignidade pública. Quando o Buddha dizia que é a vergonha e o senso de dignidade que são os protetores do mundo, constatamos que estamos completamente desprotegidos. Somos vendidos, prostituídos, estuprados e roubados pelos políticos, os quais não receberam nenhuma educação de seus pais (se tivessem, estes não se cansariam de dar uns cocões em seus filhos, mesmo que grandinhos, com barba aparada e ternos), e os órgãos que deveriam nos proteger recebem altas somas para virar o rosto de lado.


O senhor Curt Trennepohl anda de terno, penteia os cabelos e deve tomar banho todo o dia. Assim também, provavelmente, os inúmeros políticos e assessores de todos os governos estaduais e do federal. O senhor Curt era até procurador federal antes de ser indicado para o Ibama! Mas como disse um monge que nos visitou esse ano, não adianta tomar banho se internamente você continua sujo. Quando chegará o dia em que perceberão que banho interno é o que importa?

Quando digo que os políticos é uma casta é porque estes que se tornam políticos, tão logo são eleitos ou são indicados, passam a achar que são alguma coisa especial. Pensam que chegaram lá por seus méritos e virtude interna. “O nascimento não faz alguém pária, O nascimento não faz alguém brāhmaṇa; É a ação que faz alguém um pária, é a ação que faz alguém um brāhmaṇa”. (Sutta-nipāta, 142). Ó pessoas que entram para a política, é sua virtude interna que importa! De que adianta os ternos de marca, a barba aparada e os sapatos engraxados? Sem hiri e ottapa –  vergonha na cara e senso de dignidade – nada disso adianta.


É a Gota D’ Água +10 from Movimento Gota d’ Agua on Vimeo.

3 Comments

  • Anonymous
    19/11/2011 - 12:59 am | Permalink

  • 18/11/2011 - 1:57 pm | Permalink

    não gostei da postura da repórter. muito arrogante e cheia de “atitude”. compreendo a resposta, em off, do penteado de terno, talvez eu respondesse a mesma coisa, de outra forma, em outro tom e não em off. eu me mantenho alerta porque acho que as motivações do tipo da repórter nem sempre são as melhores… os países que originam estas ‘pressões’ ambientais não pensam duas vezes para nos vender suas sucatas nucleares.
    agora, o movimento gota d’água me parece perfeito quando afirma a discussão, a informação e a reflexão e não a tomada de alguma posição. vamos nos informar, debater e dialogar. uma obra deste porte não pode ser feita (ou não feita) no escuro. aí, se continuarmos a crescer e consumir da forma como estamos e não houver alternativa, nos resta sentir muito pelos índios, fauna e flora…
    recomendo o documentário estadunidense “trabalho interno” sobre a crise de 2008 (que foi uma marolinha para nós). não fala sobre meio ambiente mas documenta a grau da nossa primitividade mental e espiritual…

  • Anonymous
    18/11/2011 - 12:56 pm | Permalink

    Escreveu o que eu gostaria de escrever.

    Celso

  • Comments are closed.

    Powered by: Wordpress
    %d blogueiros gostam disto: