Perdoe a si mesmo e perdoe os outros

perdoe

Às vezes é difícil perdoar os outros, porque as feridas que carregamos são normalmente criadas por aqueles que estão perto de nós. É muito interessante refletir sobre isso. As pessoas que estão distantes não criam feridas: amigos por correspondência nunca desapontam! Apenas os amigos que estão perto de nós. Esse é um aspecto importante de relações estreitas.

Uma maneira de desenvolver esse perdão é percebendo que você é humano e os outros também são humanos. Algumas vezes nós nos colocamos em um pedestal e isso pode ser muito irreal, pode ser idealista demais. Na cultura ocidental, o modelo usado é frequentemente o modelo de perfeição. O que acontece é que você cai deste pedestal de perfeição e, consequentemente, você sofre de culpa e de ódio de si mesmo. Você dá a si mesmo um sinal de menos, porque você caiu deste pedestal, porque você não pode viver de acordo com suas próprias expectativas. Isso é o que fazemos em relação a outras pessoas também: nós as colocamos em pedestais. Em termos buddhistas isso significa que você quer se comportar como uma pessoa iluminada e você espera isso também das outras pessoas. E quando os outros não se comportam como pessoas iluminadas você lhes dá um menos e começa a odiá-las. É assim que você cria tantos sofrimentos para si mesmo.

Eu costumo dizer que se vocês cometem um erro, vocês devem se lembrar: “Não fiquem surpresos, vocês ainda não estão iluminados”. E quando vocês veem alguma outra pessoa cometer um erro: “Não se surpreendam, eles também não estão iluminados”. Esta é uma maneira muito simples e direta de aceitar a nós mesmos, nossa condição humana, nossa imperfeição e de aceitar a imperfeição e condição humana dos outros“.

Este é um ensinamento do professor de Dharma Godwin Samararatne. Visite a Sala de Estudos do Nalanda para mais ensinamentos.

dhanapala

Este é o blog pessoal de Ricardo Sasaki (Dhanapala), psicoterapeuta, palestrante e professor autorizado na tradição buddhista theravada e mahayana, tradutor, autor e editor de vários livros, com um grande interesse na promoção e desenvolvimento de meios hábeis que colaborem na diminuição real do sofrimento dos seres, principalmente aqueles inspirados nos ensinamentos do Buddha. Dirige o Centro de Estudos Buddhistas Nalanda e escreve no blog Folhas no Caminho. É também um dos professores do Numi - Núcleo de Mindfulness para o qual escreve regularmente. Para perguntas sobre o buddhismo, estudos em grupo e sugestões para esta coluna, pode ser contactado aqui.